Mapas de Símbolos Proporcionais

Sexta-feira passada apresentei uma palestra na série de seminários do LOCo. Falei sobre o problema que estou atacando no mestrado.

Um mapa de símbolos proporcionais emprega símbolos para exibir eventos associados a alguma localidade e intensidade. O símbolo é posicionado no local de ocorrência do evento e a sua área fica sendo proporcional à intensidade desse evento. Focamos em mapas que usam círculos opacos como símbolos. A figura abaixo é um exemplo representando as populações das maiores cidades do Brasil.

Note que há sobreposição entre os discos. Dependendo da ordem em que os empilhamos, pode ser que haja mais ou menos porções dos discos visíveis. Há casos ruins em que a borda do disco fica totalmente encoberta, como na figura abaixo.


Não podemos inferir o centro nem o raio do disco com bordo escondido.

Para tentar fazer com que o desenho tenha bastante borda visível, usamos uma métrica que consiste em maximizar o comprimento visível total dos discos. Com isso em mente, é possível definir um modelo de programação linear inteira, com um modelo que atribui cada disco a um nível.

Além do modelo básico, desenvolvemos algumas desigualdades adicionais para tornar o modelo mais forte, nos baseando em propriedades geométricas, que impedem certas configurações de acontecerem.

Também desenvolvemos duas técnicas de decomposição de instâncias. Um jeito trivial de decompor instâncias é considerar componentes de discos conexas de maneira independente.

Nossa primeira técnica de decomposição vem da observação que um disco que está contido no outro sempre pode ser desenhado por cima em uma solução ótima. Dessa forma, em uma instância como a da figura abaixo, a componente {a, b} pode ser desenhada de maneira independente de {c, d, e, f} e na hora de construir a solução ótima, basta desenhar a solução obtida para {a, b} em cima da solução {c, d, e, f}.

Componente {a,b} está contida em {f} e pode ser resolvida separadamente.

Podemos definir um grafo Gs sobre os discos de S, com conjunto de vértices correspondendo aos discos e há uma aresta (i, j) em Gs se os discos correspondentes se interceptam. Falei sobre esse tipo de grafo em um post anterior.

A outra técnica consiste em remover um ponto de articulação de Gs e replicá-lo nas componentes conexas resultantes, como na figura abaixo.


O disco f representa um ponto de articulação em Gs. As figuras (ii), (iii) e (iv) são as componentes resultantes de sua remoção, com f replicado.

Mostramos que é possível resolver cada componente com o ponto de articulação replicado de maneira independente. Depois, basta juntar os discos mantendo a ordem relativa de cada sub-solução. Isso pode ser feito através de uma ordenação topológica.

Implementamos todas essas ideias e reportamos os resultados. As instâncias testadas foram as mesmas de um trabalho anterior no qual nos baseamos. As técnicas de decomposição foram efetivas na redução do tamanho das instâncias e o resolvedor XPRESS conseguiu resolver nosso modelo para quase todas as instâncias. Porém, ficaram algumas componentes sem serem resolvidas, o que nos motiva a procurar novos modelos e novas desigualdades.

Esse nosso trabalho foi aceito na Computational Geometry and Applications 2011.

About these ads

Os comentários estão fechados.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: